A família do adolescente com comportamento autolesivo internado no serviço de urgência de um hospital pediátrico. Estudo de caracterização sociodemográfica.

Maria Edite Trinco

Resumen


A família é considerada a instituição mais antiga da Humanidade, que tem sido sujeita a múltiplas transformações devido ao advento de vários contextos culturais, sociais e económicos que se têm vivido, encontrando-nos assim perante uma constante renovação de paradigma, porém e apesar de todas as alterações a que esta tem sido exposta, a família enquanto instituição tem-se mantido como uma estrutura essencial em qualquer sociedade. Objetivo(s): caracterização sociodemográfica da família dos adolescentes com comportamento autolesivo internados num hospital pediátrico da região centro. Metodologia: estudo qualitativo, de natureza descritiva com recurso a análise de conteúdo. Resultados: O perfil sociodemográfico da família é o da família nuclear, com uma média de 3,9 indivíduos por agregado familiar, os entrevistados têm uma média de idade de 43,5 anos, com um nível de escolaridade médio e vivem em meio rural, sendo o distrito de Coimbra o mais representado com 73,3%, da amostra. Conclusões: apesar de todas as alterações na estrutura familiar, esta continua a ter um papel primordial no apoio e acompanhamento dos adolescentes internados com comportamentos autolesivos, enfatizando a necessidade de uma visão sistémica, para a promoção de adaptações e mudanças necessárias ao desenvolvimento do adolescente e de todo o sistema familiar.

Palavras-Chave: família, adolescente, comportamento autodestrutivo.


Texto completo:

PDF

Referencias


Relvas A, Alarcão M. Novas formas de família. Quarteto: Coimbra; 2002.

Sampaio D, Cruz H, & Carvalho, M. Crianças e jovens em risco - A família no centro da intervenção. (Princípia, Ed.) Fundação Calouste Gulbenkian: Cascais; 2011.

Hanson S. Enfermagem de cuidados de saúde à família - teoria, prática e investigação. 2ªed. Loures; Lusociência; 2005.

Ordem dos Enfermeiros (OE) Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE) 2010 Disponível em:http://associacaoamigosdagrandeidade.com/wpcontent/uploads/filebase/guiasmanuais/ORDEM%20ENFERMEIROS%20cipe.pdf. Consultado em 2 de março de 2018.

Alarcão M. (Des) equilíbrios familiares uma visão sistémica. Coimbra: Quarteto; 2006.

Figueiredo MHJS. Enfermagem de família: um contexto do cuidar. Porto. Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. 2009. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/20569/2/Enfermagem%20de%20Famlia%20Um%20Contexto%20do%20CuidarMaria%20Henriqueta%20Figueiredo.pdf. Consultado em 2 de março de 2018.

Relvas AP. O ciclo vital da família: perspectiva sistémica (3a ed.). Porto: Edições Afrontamento; 2004.

Silveira P G, Wagner A. Ninho cheio: a permanência do adulto jovem em sua família de origem. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 23, n. 4, p. 441 453, dez; 2006.

World Heatlh Organization (WHO) Adolescent health.2011. Disponível em: http://apps.who.int/adolescent/second-decade/. Consultado em 3 de abril de 2018.

Ordem dos Enfermeiros (OE) Guias orientadores da boa prática em enfermagem de saúde infantil e pediátrica. Lisboa, Portugal; 2010.

Trinco ME, Santos J C, Barbosa A. Vivências e necessidades dos pais no internamento do filho adolescente com comportamento autolesivo. Revista de Enfermagem Referência Série IV - n.º 13 - ABR./MAI./JUN.pp. 115-124. ISSNe: 2182.2883 | ISSNp: 0874.0283; 2017.

Trinco ME, Santos JC. O adolescente com comportamento autolesivo sem intenção suicida no internamento do serviço de urgência de um hospital pediátrico da região centro. Revista Portuguesa de Saúde Mental (Spe.5), 63-68; 2017.

Portugal. Plano Nacional de Prevenção do Suicídio 2013/2017, Direção Geral da Saúde. Disponível em: http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/BCA196AB-74F4-472B-B21E6386D4C7A9CB/0/i018789.pdf. Consultado em 3 de abril de 2018.

Zetterqvist, M. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health. 9:31 doi: 10.1186/s13034-015-0062-7; 2015.

Santos N, Neves E. Adolescência e comportamentos suicidários. Suicídio e comportamentos autolesivos. Dos conceitos à prática clínica. Ed. Carlos Saraiva, Bessa Peixoto & Daniel Sampaio Lidel- edições técnicas, Lda., 2014. ISBN: 9789897520426; 2014.

Meleis AI. Transitions theory. In MC, Smith & Parker, ME, Parker. Nursing theories & nursing practice (4th ed), pp. 361-380. Philadelphia, PA: F. A. Davis Company; 2015.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Almedina; 2009.

Lindgren BM, Astrom S, Graneheim UH. Held to ransom: Parents of self-harming adults describe their lived experience of professional care and caregivers. International Journal of Qualitative Studies on Health and Wellbeing, 5(3), 1-10. doi:10.3402/qhw.v5i3.5482; 2010.

Daly P. Mothers living with suicidal adolescents: A phenomenological study of their experiences. Journal of Psychosocial Nursing & Mental Health Services, 43 (3), 22; 2005.

Russell SN. Experiences of Parents of Self-Harming Adolescent Children (Doctoral dissertation, Walden University); 2017.

Instituto Nacional de Estatística, I.P. Famílias nos Censos - Diversidade e Mudança. (Delgado A, Wall K, Edits.) Lisboa: Edição conjunta do Instituto Nacional de Estatística e da Imprensa de Ciências Sociais; 2011.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


ISSN-e 2530-6707 - Copyright © 2019 AEESME - Contacto